Skip to main content

Tecnologias 2022: esteja atento!

“O futuro já está aqui”, disse William Gibson uma vez. “Só não é distribuído uniformemente.”

Alguns de vocês, queridos leitores, devem viver bem até os seus 150 anos e também manter seus cérebros e curvas até o fim. Nada mal, não é?

Espere até você descobrir que sua neta poderia passar o estágio de verão na lua e que o filho dela poderia carregar a mente dele dentro do computador para enganar a morte.

Eu não estou exagerando, poderia estar subestimando os saltos tecnológicos que testemunhamos no ano passado. Abaixo, você vai encontrar uma lista dessas realizações e o que esperar em um futuro próximo.

1) CRISPR edita DNA para combater doenças genéticas

CRISPR é uma tecnologia que se baseia em duas moléculas-chave para editar o DNA. A primeira molécula, chamada de Cas9, trabalha como uma tesoura biológica. Ela pode cortar o DNA em um lugar específico permitindo edições (remoção, alteração ou adição). A segunda molécula é uma enzima que age como um GPS, dando à tesoura Cas9 as coordenadas exatas de onde editar o DNA.

O principal uso da CRISPR é desligar ou substituir genes ruins para curar doenças. As mudanças não se espalham para os filhos dos pacientes, eliminando o risco preocupante de bagunçar o genoma humano.

Em setembro de 2021, dois experimentos diferentes da CRISPR conseguiram reverter a cegueira. Um dos pacientes foi capaz de rever cores pela primeira vez em anos quando ele percebeu um carro vermelho passando por ele cerca de um mês após o tratamento. Ainda mais impressionante, os experimentos usaram injeções pela primeira vez. Geralmente, pesquisadores removem as células doentes do corpo dos pacientes, editam no laboratório e colocam de volta.

A descoberta promete tratamentos significativamente menos dolorosos para aqueles que sofrem de uma distribuição genética injusta. Agora a parte assustadora: CRISPR pode ser usada para criar super bebês. É possível editar embriões para dar a eles lindos rostos, corpos perfeitos, vida útil mais longa e cérebros brilhantes. As únicas coisas que nos mantém longe de cruzar a linha são a decência e os acordos internacionais.

As únicas coisas que nos impedem de cruzar o limite são a decência e os acordos internacionais. Mas eventualmente, e para o bem ou para o mal, alguém vai quebrar as regras porque nós, humanos, sempre quebramos.

2) Neuralink transforma telepatia em realidade

No começo de 2021, pesquisadores da Neuralink ligaram 1.024 eletrodos ultrafinos no cérebro de um macaco chamado Pager. O macaco jogou um videogame simples repetidas vezes para calibrar os algoritmos do Neuralink. Várias horas e smoothies de banana depois, Neuralink conseguiu decodificar as intenções do Pager, permitindo que ele jogasse um jogo chamado Pong através de telepatia.

“Isso não é mágica”, disse um dos porta-vozes da Neuralink. “A razão da Neuralink funcionar é porque ela está gravando e decodificando sinais elétricos do cérebro”.

O próximo objetivo da companhia é permitir que pessoas com paralisia usem computadores e telefones por meio de suas atividades cerebrais. Como essas pessoas não podem mover um controle ou clicar em um mouse sozinhos, a calibração será baseada em exercícios mentais, como imaginar movimentos das mãos.

Mais para o futuro, a Neuralink pretende permitir que humanos interajam com a inteligência artificial e também carreguem seus cérebros em um computador. Os dois projetos podem exigir muito poder de cálculo, o que é um problema que estamos resolvendo com a teoria quântica. 

3) IBM libera o poder da computação quântica

A computação quântica é um campo especializado no que os matemáticos chamam de otimização combinatória. É quando você analisa muitas opções para extrair a melhor solução possível, como em quais ações investir, quais medicamentos funcionam melhor juntos ou qual é a forma mais barata para construir carros elétricos.

Isso continua abstrato para você? Diga que você vai reunir 10 pessoas em volta de uma mesa de jantar de um jeito que faça a noite ser o mais agradável possível.

Existem mais de 3 milhões de combinações que você pode escolher para isso, e sim, computadores clássicos podem te ajudar a encontrar a melhor forma. Porém, em grande escala, esses cálculos levariam meses porque os computadores clássicos precisam passar por todas as combinações possíveis uma por uma.

Por outro lado, os computadores quânticos analisam essas combinações simultaneamente, fornecendo resultados em uma escala de tempo muito mais curta. Para se ter uma ideia, um cálculo combinatório que leva uma semana para um computador clássico, leva apenas um segundo para o novo computador quântico da IBM. 

“Nós antecipamos isso com o Eagle (nome do computador), nossos usuários vão estar preparados para explorar o território computacional desconhecido”, disse a IBM. O objetivo é dimensionar os computadores quânticos em sistemas de mudança de paradigma, capazes de resolver alguns dos maiores desafios que o mundo enfrenta hoje.

4) Chips injetáveis se tornam uma coisa

Em maio de 2021, uma equipe de pesquisadores da Columbia Engineering publicou um artigo descrevendo o menor chip já construído. É tão grande quanto um ácaro, visível apenas através de um microscópio. Ainda mais impressionante, funciona como um sistema autônomo – sem necessidade de fios ou dispositivos complementares.

O chip é um dispositivo médico que coleta informações biológicas da parte do corpo onde está implantado. O ultrassom é usado para alimentar e se comunicar com o dispositivo. “Queríamos ver até onde poderíamos aumentar os limites de quão pequeno um chip funcional poderíamos fazer”, disse a equipe de pesquisa. 

“Isso deve ser revolucionário para o desenvolvimento de dispositivos médicos implantáveis miniaturizados e sem fio que podem detectar coisas diferentes, serem usados em aplicações clínicas e, eventualmente, aprovados para uso humano”. Os primeiros casos de uso podem envolver pacientes com doenças neurológicas e astronautas, pois ambos precisam de monitoramento contínuo.

5) A nave estelar entra em órbita

Foguetes totalmente reutilizáveis são o Santo Graal da exploração espacial. Eles não apenas diminuem o custo dos lançamentos espaciais por um fator de 100, mas também reduzem a quantidade de lixo metálico que lançamos em órbita.

Em maio de 2021, a SpaceX realizou um voo de teste bem-sucedido sobre suas instalações no sul do Texas. A nave estelar atingiu uma altitude de seis milhas, realizou algumas manobras e pousou graciosamente no mesmo local de onde decolou.

Elon Musk, engenheiro-chefe da Starship, disse que pode transportar até 100 toneladas métricas por voo. Ele pretende começar os voos orbitais no início de 2022 e iterar no design até que ele marque todas as caixas. A partir daí, a nave estelar seria fabricada em massa para alimentar um futuro em que a humanidade vai estabelecer bases lunares e construir colônias em Marte. Enquanto isso, vamos continuar a coletar informações sobre o espaço sideral.

6) O mini-helicóptero da NASA explora Marte

O Perseverance da NASA pousou no Planeta Vermelho em fevereiro de 2021. Seu objetivo é analisar as terras marcianas e procurar sinais de vida passada e presente. Primeiro, o Perseverance enviou fotos lindas do nosso planeta vizinho. Em seguida, implantou um mini-helicóptero projetado para testar se nossa tecnologia pode voar na fina atmosfera de Marte. A resposta foi um “SIM!”, enquanto o pequeno helicóptero realizava uma impecável manobra de pairar por 30 segundos.

“Não sabemos exatamente para onde [o mini-helicóptero] nos levará”, disse Steve Jurczyk, da NASA, em um comunicado à imprensa. “Mas os resultados de hoje indicam que o céu – pelo menos em Marte – pode não ser o limite.”

Embora o Perseverance não carregue câmeras e sensores, dispositivos futuros poderão ter. Agora sabemos que podemos fazer coisas voarem em Marte e o próximo passo é aproveitar isso para entender melhor o planeta.

7) Roupas inteligentes para humanos e robôs

Imagine uma roupa que analise seus movimentos para sugerir uma postura melhor. Pense em uma luva de inverno que funciona como controle remoto. Você teria um personal ajudando você 24 horas por dia, 7 dias por semana, e seu avô só teria que levantar um dedo para encarar você. Agora pare de imaginar, porque o MIT fez exatamente isso.

Pesquisadores usaram fios condutores para fazer tecidos que pudessem sentir pressão. Um algoritmo coleta e analisa os dados, transformando-os em possíveis aplicativos que não são apenas destinados a humanos. “Imagine robôs que não são mais ‘cegos’ ao tato e que têm ‘peles’ […] assim como nós temos”, disse Wan Shou, pós-doutorando no MIT. Graças às roupas inteligentes, os robôs poderão analisar melhor seu ambiente e se autocorrigir ao se movimentar.

8) DeepMind descriptografa enigmas biológicos

Em julho de 2021, o DeepMind do Google resolveu um grande desafio em biologia, conhecido como “problema de dobramento de proteínas”. Em uma linguagem mais simples, eles conseguiram prever como a nossa biologia funciona em uma escala muito pequena.

A equipe por trás do avanço disponibilizou a sua descoberta em um banco de pesquisa gratuito. Agora os cientistas podem navegar por mais de 350 mil estruturas de proteínas para desenvolver melhores medicamentos, acelerar experimentos e até ajudar a lidar com pandemias.

Para entender melhor o problema da dobra de proteínas, imagine seu corpo como um quebra-cabeça super complexo feito de peças microscópicas que podem ser montadas de diversas maneiras. Dependendo do layout dessas pequenas estruturas, seu corpo se comporta de maneira diferente. Ele adoece, resiste a ataques virais ou cura.

Por muito tempo, os biólogos sabiam que poderíamos resolver esse quebra-cabeça biológico – o problema do dobramento de proteínas. Mas isso exigiria muito poder de computação, o que explica por que eles ficaram presos por mais de 50 anos. Então, em julho de 2021, o Google desenvolveu um algoritmo com inteligência artificial que conseguiu resolver esse problema.

9) Empresa australiana projeta um coração artificial de alta tecnologia

A primeira versão que já existe se chama BiVACOR TAH. Ele foi projetado “para ser um dispositivo de longo prazo que pode substituir todas as funções do coração real de uma paciente”.

BiVACOR TAH tem duração de 10 anos antes de ser substituído. Ele é pequeno o suficiente para ser implantado em crianças e mulheres e também poderoso o suficiente para atender às necessidades cardiovasculares de um homem jovem durante sessões de treino. Quanto à autonomia do coração, são 10 horas por carga.

Projetos futuros visam ser menos invasivos e usar tecnologia sem fio em vez dos atuais kits portáteis. “Isso dará aos pacientes uma liberdade incomparável para retornar à vida, mesmo com as limitações das doenças cardíacas”. 

10) A Energia Solar Concentrada ganha popularidade

Alguns historiadores acreditam que um inteligente cientista grego chamado Arquimedes usou raios de morte para defender sua cidade dos invasores. Supostamente, ele usou escudos polidos para concentrar a luz do sol em uma pequena área, queimando navios de guerra romanos à distância.

Embora a precisão da história permaneça questionável, a tecnologia envolvida é muito real. As empresas de energia solar usam o raio para capturar calor dentro de um líquido, que alimenta turbinas para gerar eletricidade. Isso é a chamada Energia Solar Concentrada (CSP).

A principal força do CSP está em sua capacidade de armazenar grandes quantidades de energia usando tecnologia barata. Em vez de armazenar eletricidade dentro de baterias caras, as usinas CSP usam reservatórios semelhantes a termos para armazenar calor. Sempre que necessário, o calor é convertido em eletricidade com emissão zero de CO².

O crescimento do CSP tem sido um pouco lento ao longo dos anos, mas um desenvolvimento recente com a África do Sul pode impulsionar. O país tenta construir uma Torre Solar CSP desde 2016, mas os atrasos estão acumulados.

Por fim, em 2021, o governo fechou um acordo com novos investidores, que reviveu o projeto. A usina vai gerar 100 megawatts para abastecer 200 mil residências e eliminar 440 toneladas de CO² por ano. 

11) MIT e CFS nos aproximam da fusão nuclear

A fusão nuclear é o processo que acontece dentro do sol. Os átomos de hidrogênio colidem uns com os outros formando o gás hélio e liberando toneladas de energia. Podemos recriar o mesmo processo aqui na Terra para construir um reator que produz mais energia do que consome e emite quase zero resíduos.

Em outras palavras, fusão nuclear significa energia verde infinita. Como construir tal reator? Você precisa de duas tecnologias: micro-ondas (como os que você tem na cozinha, mas um pouco mais sofisticados) e superímãs. Alimentar o segundo passa a ser um grande desafio.

Os melhores ímãs disponíveis para nós funcionam apenas quando são resfriados a quase zero, o que requer maquinário pesado e uma tonelada de energia. Em 2018, pesquisadores do MIT e uma startup chamada Commonwealth Fusion Systems (CFS) se perguntaram se poderiam fabricar ímãs que precisassem de menos resfriamento. A fusão nuclear se tornaria então mais fácil e mais barata de alcançar. Três anos depois, nasceu um superímã chamado SPARC.

O SPARC gera um campo magnético de 20 Teslas, o suficiente para levantar 12 caminhões de carga como se fossem pequenos parafusos. Requer uma temperatura de 20 Kelvins em vez de 4, o que parece uma pequena melhoria. Na realidade, esses 16 graus significam que o SPARC requer 40 vezes menos espaço do que o superímã médio e também consome menos energia.

Há um meme em um comitê científico que diz: “A Fusão Nuclear está sempre a 20 anos de distância”. Mas avanços como o SPARC tornam a afirmação cada vez mais confiável.

12) A corrida para o Metaverso será divertida de assistir

O Metaverso é um mundo construído a partir de um software. É muito parecido com um videogame de RPG online, exceto por uma pequena diferença: não há problema em encontrar seu chefe lá. Dentro do Metaverso, você poderá fazer tudo o que já faz online, como trabalho, entretenimento e namoro, mas sua experiência será muito mais imersiva e interativa.

Se o Metaverso será uma realidade paralela ou uma camada adicional à existente ainda está em aberto. Em outras palavras, pode contar com Realidade Virtual (pense no Ready Player One) ou Realidade Aumentada (pense nos óculos de Tony Stark).

De qualquer forma, Zuckerberg não será o único cachorro na luta. Não seria sensato apostar nele. Como o professor Scott Galloway argumenta, a Apple e a Epic Games parecem mais bem preparadas para construir e comercializar o Metaverso. O primeiro usaria seus Airpods combinados com telas de iPhone para criar uma elegante Realidade Aumentada.

O último abriria um portal para mundos de fantasia usando fones de ouvido imersivos. As primeiras aplicações do Metaverso da Epic seriam jogos, mas versões posteriores podem incluir outras áreas como trabalho e turismo. Espere uma competição acirrada que resultará em novas conquistas de hardware e software.

Texto original, que foi traduzido, aqui.

Thais Helena Bento

Jornalista de 24 anos formada pela PUC-Campinas. Já trabalhou na rádio CBN Campinas, Jornal Correio Popular, Canal Esportes Online, Rádio Brasil, Arquidiocese de Campinas e outros. É uma pessoa comunicativa, que gosta de estar com a família e os amigos e que valoriza muito o contato presencial.