Os amantes de atividades físicas gostam de acompanhar o desempenho, propor metas e estar atento ao próprio corpo e por isso utilizam aplicativos que ajudam nesse processo fitness.

O Google Fit, lançado em 2014, vai receber uma atualização a partir de março capaz de medir a frequência cardíaca e monitorar a respiração. Acredita nisso? Tudo através da câmera do celular.

Essa nova função não vai demandar nenhuma ferramenta a mais, apenas o acesso ao próprio celular e internet. Para o monitoramento, o usuário usará a câmera do celular. É necessário enquadrar o rosto e o peito nas formas indicadas no software com a câmera frontal do aparelho e outras orientações. Dessa maneira o app vai verificar a movimentação do seu tórax ao inspirar e expirar e será possível monitorar a frequência respiratória.

Conheça o app Google Fit e veja como medir a frequência cardíaca e a respiração

Foto: Divulgação

Já a frequência cardíaca será identificada pela câmera traseira, através das cores dos dedos das mãos. O Google Fit irá observar a alteração (pequena) da cor dos dedos, procedimento chamado de fotopletismografia na área da saúde. Ele verifica a alteração do volume sanguíneo que geralmente não é visto a olho nu.

Em qual celular eu posso usar esse app?

O app está disponível para todos os aparelhos, no entanto, as novas funções serão lançadas em março apenas para celulares Google Pixel nos Estados Unidos. Mas que aparelho é esse? A Google oficializou os Pixel 5 e 4a no dia 30 de setembro de 2020 e eles chegaram as lojas em 15 de outubro. Por outro lado, ainda não há previsão de lançamento para o Brasil.

Conheça o app Google Fit e veja como medir a frequência cardíaca e a respiração

Foto: Divulgação

Esses novos celulares são bem mais caros do que os comuns na faixa de R$ 1.500. O Pixel 5 custa US$ 699 (aproximadamente R$ 3.940) e o Pixel 4a por US$ 499 (cerca de R$ 2.810). Preços sugeridos às lojas.

O monitoramento através do celular é confiável?

Para você acompanhar seus batimentos cardíacos e respiração no dia a dia, o software promete ajudar e ser confiável, mas atenção: ele não pode ser usado como diagnóstico e não deve substituir a ida ao médico em caso de algum problema de saúde e/ou variação desses dados.

Veja o que o Google Fit disse sobre isso: “Embora essas medições não sejam destinadas a diagnósticos médicos ou para avaliar condições médicas, esperamos que possam ser úteis para quem usa o aplicativo Google Fit para monitorar e melhorar o bem-estar no dia a dia. (…) Desenvolvemos ambos os recursos – e concluímos os estudos clínicos iniciais para validá-los – para que funcionem em uma variedade de condições do mundo real e para o maior número possível de pessoas.”

Saiba mais

O Google Fit trabalhou em colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Associação Americana de Cardiologia (AHA na sigla em inglês). Ele já foi baixado em mais de 50 milhões de aparelhos e promete ser um guia para seus exercícios físicos, dados sobre o seu sono e até compartilhar nas mídias sociais.

Thais Helena Bento

Thais Helena Bento

Jornalista formada pela PUC-Campinas. Tem 23 anos e também atua como produtora esportiva. Comunicativa, gosta de estar com a família e os amigos no tempo livre e valoriza muito as relações.