Skip to main content

O Banco Central (BC) anunciou novas medidas de segurança para o PIX e elas entraram em vigor dia 16 de novembro.

O motivo dessas mudanças é que muitos golpes começaram a ser aplicados usando esse mecanismo de transferência e o objetivo é barrar esse problema e reduzir a vulnerabilidade do sistema, diminuindo assim os casos com usuários.

Saiba quais são as novas medidas de segurança para o PIX:

Bloqueio cautelar: Em caso de suspeita de fraude, o banco responsável por aquela chave PIX poderá fazer um bloqueio preventivo dos recursos por até 72 horas. Quando isso foi feito, a instituição deve comunicar o cliente no mesmo momento.

Notificação de infração: Essa medida passará a ser obrigatória. Os bancos vão registrar uma marcação no PIX, CPF e número da conta em caso de “fundada suspeita de fraude” e essas informações serão compartilhadas com outras instituições financeiras.

Ampliação do uso de informações: as informações sobre notificações de fraude vão estar disponíveis para todos os participantes que possuem PIX.

Mecanismos adicionais: os bancos deverão ter, no mínimo, ferramentas iguais aos do BC para proteger os dados. Em caso de muitas consultas a uma chave PIX, as instituições financeiras precisarão definir procedimentos de identificação e resolução do problema.

Desde o dia 5 de outubro os bancos iniciaram uma outra medida de proteção e segurança para o PIX. As contas de pessoas físicas possuem limite de transferência em R$ 1 mil das 20h às 6h. Isso não inclui empresas/pessoas jurídicas.

“Essas medidas criam incentivos para que os participantes aprimorem cada vez mais seus mecanismos de segurança e de análise de fraudes”, afirmou o BC em nota.

Thais Helena Bento

Jornalista de 24 anos formada pela PUC-Campinas. Já trabalhou na rádio CBN Campinas, Jornal Correio Popular, Canal Esportes Online, Rádio Brasil, Arquidiocese de Campinas e outros. É uma pessoa comunicativa, que gosta de estar com a família e os amigos e que valoriza muito o contato presencial.