Skip to main content

O governo da Índia solicitou por meio de uma carta que todas as redes sociais excluam qualquer referência ao termo “variante indiana” do coronavírus. 

O Ministérios de Tecnologia da Informação fez o pedido na sexta-feira (21).

O órgão afirmou que a Organização Mundial da Saúde (OMS) não utiliza o termo e que isso será prejudicial ao país. Segundo o governo, a organização chama a variante de B.1.617 e não relaciona a mutação ao país em nenhum documento.

“Isso é completamente falso”, afirmou na carta.

Essa variante foi encontrada pela primeira vez na Índia, no ano passado. 

Em todo o mundo as variantes são relacionadas por médicos e especialistas com o país onde foram encontradas. Exemplos das variantes do Brasil e África do Sul.

Tudo isso está voltado a preocupação com a imagem do país por parte do governo. Segundo o Ministério da Saúde do país, 26,7 milhões de pessoas já foram infectadas (desde o começo da pandemia) e esse é o segundo maior número de infectados. Os Estados Unidos são os primeiros, com 33,1 milhões.

Thais Helena Bento

Thais Helena Bento

Jornalista formada pela PUC-Campinas. Tem 24 anos e também atua como repórter esportiva do Jornal Correio Popular. Comunicativa, gosta de estar com a família e os amigos no tempo livre e valoriza muito as relações.