Skip to main content

Você tem a sua grande ou média empresa e gostaria de ajustar suas atividades? Possui um pequeno negócio, mas quer melhorar a forma como trabalha e buscar expandir as vendas? 

É muito importante que você utilize as ferramentas corretas e pense no custo-benefício do seu novo software, além de analisar se ele vai responder as suas necessidades principais.

Para entender um pouco mais sobre essa área e tirar suas dúvidas, nós conversamos com profissionais de tecnologia da informação e engenharia de software que vão explicar tudo a você!

Quais são as vantagens de desenvolver o próprio software? 

Autonomia de funcionalidades 

Quando você possui seu próprio software, a ferramenta estará voltada totalmente a sua necessidade e por isso será possível mapear o fluxo do seu trabalho para torná-lo mais eficiente. 

Em casos de programas prontos, você não tem autonomia sobre as funções que ele tem, é algo fixo que sua empresa se adapta a ele.

Atualização 

Quando o software está sendo produzido para você, é possível atualizá-lo de acordo com a sua necessidade e não é preciso esperar todo o processo ser finalizado para a empresa poder usar as funções essenciais. No entanto, é importante lembrar que nada é feito de um dia para o outro e a equipe de desenvolvedores precisa de tempo para fazer tudo da melhor maneira.

João Gabriel Zullo, profissional da área de TI, explica sobre essa situação: “Durante o processo de desenvolvimento do software, de acordo com a priorização das funcionalidades que a empresa julga importante, é possível lançar versões do programa que acomodem as necessidades da empresa no momento. Dessa forma ela já pode fazer uso do software no momento em que as funcionalidades determinadas como importantes ficam disponíveis, diferente dos processos de desenvolvimento que alguns softwares prontos utilizam. O produto fica disponível para uso do cliente apenas quando está totalmente pronto.”

“Menos é mais” 

O software próprio até pode ser mais simples, mas será direcionado exatamente para a sua necessidade. É o que Thávia Farias, Presidente da Softeo Tecnologia, comenta: “Quando você contrata um software pronto ele tenta atender muita gente para poder atender a todos, você tem que dar muitos clics, passar por muitas coisas desnecessárias para a sua empresa. Às vezes você paga 1.000 reais, mas de fato você usa 200 reais desse software.”

Alto nível de escalabilidade 

A ferramenta está preparada para os objetivos e metas da sua empresa e consequentemente, caso seja necessário, poderá sofrer mudanças quando seu negócio crescer. A escalabilidade é a capacidade do software se adaptar ao trabalho e estar preparado para o crescimento.

“Já os softwares prontos em um primeiro momento suprem uma necessidade pequena de operação, mas com o crescimento da empresa, do fluxo de dados e envolvimento de novos colaboradores, o processo de trabalho

começa a se tornar inviável”, afirmou Zullo. 

Quais são as desvantagens de desenvolver o próprio software? 

Mais caro e mais tempo 

Desenvolver o próprio software demanda tempo da equipe de TI, porque será tudo pensado e focado no seu tipo de trabalho e na sua necessidade. E também é preciso um investimento maior da empresa que solicitou a demanda, devido a toda essa personalização da ferramenta.

“Esses clientes que a Softeo tem, acho que 90%, são clientes que vieram desses softwares que atendiam parcialmente, era um investimento mensal alto e eles preferiram fazer esse mesmo investimento no próprio software. Os outros 10% de clientes são inovações. Aquilo que não existe ninguém fazendo, a gente tirou a ideia do papel dessas pessoas, dos nossos parceiros…”, contou Thávia.

Porém, é necessário analisar cada situação, como cita Zullo: “Em certos níveis de magnitude de operação, os custos derivados do desenvolvimento de um software podem ser desproporcionais em relação aos benefícios que eles trariam. Existem casos bem comuns onde seria mais benéfico a assinatura de um software mensal (para a gestão de estoque de uma loja de pequeno porte, por exemplo).”

Usabilidade 

Outra desvantagem pode ser a usabilidade do software novo. Muitos profissionais já conhecem e estão acostumados nos detalhes do programa e como utilizar, já que muitas empresas utilizam opções prontas para assinantes. Então caso você pague para uma equipe executar um novo software para a sua empresa, possivelmente será preciso um treinamento para a sua equipe ou período de adaptação.

Processo de desenvolvimento 

É preciso muita atenção, dedicação, trabalho em equipe e tempo para desenvolver um software. Todas as ideias e metas precisam ser discutidas e planejadas.

“Para o desenvolvimento de um software de alta qualidade, deve haver uma comunicação constante e clara entre a empresa que fará o uso do software e a equipe de desenvolvimento. As funcionalidades desejadas devem ser claramente mapeadas pela empresa e os desenvolvedores, em conjunto, e o tempo de entrega deve ser definido de acordo com a necessidade e viabilidade”, explicou Zullo.

Qual é a melhor opção? 

Essa pergunta deve ser respondida por cada diretor, analisando sua própria empresa e contexto de trabalho. Nossos entrevistados explicam um pouco mais sobre essa questão.

Para Thávia, o software pronto é uma boa opção quando a pessoa responsável tem poucos recursos e não almeja a área tecnológica no seu trabalho. Já o software próprio vai proporcionar que a equipe trabalhe de maneira rápida nele e pode gerar até uma renda a mais para a sua empresa.

“Quando você faz o software para você, investe no seu, você está fazendo um novo negócio, um novo braço desse seu negócio, porque a solução que atende você pode atender fulano, ciclano… e vai virar um SAS para você, você é o dono da empresa nesse momento que vai vender as mensalidades”, disse Thávia.

Para João Gabriel, a empresa precisar colocar todos os pontos na balança e avaliar qual melhor opção para a sua situação e objetivo atual da empresa: “depende de diversos fatores como a especificidade das necessidades, da magnitude da operação, o que a empresa planeja para o futuro (estruturalmente falando) e o que ela visualiza para trazer mais benefícios para si.”

Como um software personalizado ajudaria a escalar a sua empresa? 

Por ser uma ferramenta focada, existem todas as possibilidades de que ele ajude a alavancar a sua empresa e seu negócio, mas para isso é preciso ser feito com atenção, boa arquitetura e comunicação entre todos os envolvidos.

O que a empresa precisa levar em conta na hora de desenvolver um sistema próprio? 

João Gabriel exemplifica e afirma que algumas perguntas precisam ser respondidas para pensar nesse processo e tomar a sua decisão:

  • A empresa precisa ter claramente definido quais são os objetivos que levaram à decisão de automatização de processos (quais são meus objetivos como empresa e como um software beneficiaria os fluxos de trabalho, atualmente e no futuro, e como ele vai me encaminhar ao objetivo)
  • Analisar se é justificável usar o software próprio ou se o pronto já supre as necessidades (quais são os processos internos atuais que eu gostaria que fossem automatizados? Quais são os mais importantes?)
  • Existem ferramentas prontas que atendem às minhas necessidades? Se sim, é possível aplicar essas ferramentas nos meus processos de trabalho?)

O dono da empresa precisa saber de tecnologia? 

Geralmente quem solicita o desenvolvimento de um software não tem muito conhecido da área e não necessariamente precisa ter essa noção, mas é sempre bom buscar um conhecimento inicial. Isso facilitará na organização das ideias e planejamento com a equipe de TI.

“O perfil ideal é aquele que está antenado com tecnologia, que já utilizou algum software no passado e gostaria de melhorar, uma pessoa que está maleável a mudanças, testes, envolver pessoas dentro no processo, não pode ser uma pessoa que vai jogar aqui um monte de coisas e depois vai virar as costas, depois só vai aparecer no meio do projeto querendo ver alguma coisa a qualquer custo, precisa ser participativo”, afirmou Thávia.

Thais Helena Bento

Thais Helena Bento

Jornalista formada pela PUC-Campinas. Tem 24 anos e também atua como repórter esportiva do Jornal Correio Popular. Comunicativa, gosta de estar com a família e os amigos no tempo livre e valoriza muito as relações.